Leishmaniose em Cachorro Tratamento e Prevenção

Leishmaniose em cachorro tratamento e prevencao

A Leishmaniose é uma doença infectocontagiosa causada por um protozoário, conhecido como Leishmania spp., sua transmissão ocorre pela picada de um mosquito flebótomo infectado, conhecido como “mosquito palha” ou “birigui”. Esta doença é considerada uma zoonose, ou seja, pode ser transmitida ao homem e outros cães. Nos caninos, é conhecida como Leishmaniose Visceral Canina.

De acordo com a médica veterinária Drª Grasiela Merighi Tadini Bazotti, a doença é transmitida de um cão infectado para um cão sadio ou até mesmo para o humano, só se o animal doente for picado pelo mosquito e assim picar o ser humano ou outro animal sadio, sendo assim, para a transmissão, necessita que tenha o mosquito como veiculador da doença.

Não adquirimos a doença abraçando ou beijando um paciente doente, precisamos ter o mosquito para realizar o ciclo da doença e contaminar outro cão, humano ou até mesmo gato. Desta forma, o homem e o cão só podem ser infectados, se também forem picados por um flebótomo contaminado, explica a profissional. A confirmação da doença só pode ser feita através de exames de sangue.

Alguns sintomas que estão associados à doença e que podem levar o proprietário a desconfiar da enfermidade são: feridas na pele com difícil cicatrização, descamação seca da pele, pelos quebradiços, nódulos na pele, úlceras, febre, atrofia muscular, fraqueza, anorexia, falta de apetite, vômito, diarreia, lesões oculares e sangramentos. Nas formas mais graves, a Leishmaniose pode acarretar anemia e outras doenças imunes.

Mosquito Palha transmite leishmaniose

No Brasil, existe atualmente no mercado uma vacina contra a Leishmaniose Visceral Canina, que confere proteção superior a 92%. Porém o Ministério da Agricultura recomenda a proteção com o uso de coleiras Scalibor, que confere proteção contra o mosquito por 4 meses, sendo trocadas neste período, agindo como repelente para o mosquito.

Segundo Drª Grasiela, no Brasil o tratamento da Leishmaniose Visceral Canina ainda é polêmico. “Os ministérios da Saúde e da Agricultura determinam que animais infectados pela doença, devem ser sacrificados; o que causa revolta nos proprietários e veterinários, pois os animais de estimação são considerados ‘membros’ da família.

Porém, o tratamento em algumas regiões está sendo liberado, e pode ser sintomático, com medicações veterinárias de uso oral, injetável ou que podem até ser manipuladas”, informa a veterinária, que completa: “por isso, fica a recomendação para que os proprietários de cães, principalmente aqueles que residem em locais onde os registros da doença são maiores, vacinem seus animais como medida preventiva e utilizam da coleira para maior proteção”.

O programa vacinal deve ser associado a outras medidas de controle, como combate ao inseto vetor (flebótomo), com a aplicação de inseticida no ambiente e o uso de produtos repelentes no cão, uso de coleira Scalibor, alem de controle de limpeza local, evitar matéria orgânica em decomposição (folhas, frutas, fezes de animais) onde o mosquito se reproduz.

Somente fazendo todo esse controle de proteção ambiental e em animais podemos proteger nossos amigos desta doença que vem fazendo grandes estragos em varias cidades e sendo causa de muitas mortes de cães.

Dra. Grasiela M. Tadini Bazotti
CRMV-SP 15.520
Graduação – UNIRP - SJRio Preto, SP
Experiência Clínica, Cirurgia E Anestesiologia: desde 2.002
Residência Em Clínica Médica E Cirúrgica
Especialização Médica, Cirúrgica E Acupuntura
Aperfeiçoamento Em Ultrassonografia E Anestesiologia



Informações extras sobre Leishmaniose:

sintomas de leishmaniose

Dúvida em diagnóstico:

A confirmação do diagnóstico só se dá com exame de sangue em laboratório específico. Os sintomas são claros e é preciso ficar com atenção em: feridas na pele com difícil cicatrização, descamação seca da pele, pelos quebradiços, nódulos na pele, úlceras, febre, atrofia muscular, fraqueza, anorexia, falta de apetite, vômito, diarreia, lesões oculares e sangramentos. Para fazer um contato agora, clique aqui.

Gravidez e Saúde

Vacina e leishmaniose:

A vacina é visceral, não cutânea, e confere proteção superior a 92% e já protegeu mais de 70.000 cães vacinados em todo o Brasil. É importante ressaltar que os animais vacinados apresentam resultados negativos nos kits ELISA atualmente licenciados pelo MAPA (Kit Biogene e Kit Bio-Manguinhos). O programa vacinal deve ser associado a outras medidas de controle, como combate ao inseto vetor (flebótomo), com a aplicação de inseticida no ambiente e o uso de produtos repelentes no cão. Para fazer um contato, clique aqui.

Ultrassom Portátil

Coleira Scalibor:

A coleira Scalibor® protege o seu cão contra flebótomos, moscas e auxilia no controle dos carrapatos e pulgas com alta eficácia. Imediatamente após a sua colocação no pescoço do cão, começa a liberação do seu princípio ativo, a Deltametrina. Este se distribui de forma rápida e uniforme pela pele do cão até atingir todo o corpo. Para fazer um contato, clique aqui.

Instagram @clinicadra.dorisbruder

Matérias em destaque:

Leishmaniose em Cachorro Tratamento e Prevenção
doença do carrapato
Tratamento de câncer com eletroquimioterapia
ultrassom veterinário em rio preto
cirurgia com anestesia inalatória em rio preto
glândula anal inflamada
Limpeza Dentária Canina
Eletroquimioterapia em cães e gatos
Anestesia inalatória em cães e gatos
Ultrassom para cães e gatos
Dicas para cachorro fazer xixi no lugar certo
Eletroquimioterapia como tratamento para cães e gatos